quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Amor Platônico


Eu sou apenas alguém
ou ate mesmo ninguém
talvez alguém invisível
que o admira à distância
sem a menor esperança
de um dia tornar-me visível
E você?
você é o motivo
do meu amanhecer
e a minha angustia
ao anoitecer
você é o brinquedo caro
e eu a criança pobre
a menina solitária que quer ter o que não pode
dona de um amor sublime
mas culpada por quere-lo
como quem o olha na vitrine
mas jamais poderá te-lo
eu sei de todas as suas tristezas
e alegrias
mas você nada sabes
nem da minha fraqueza
nem da minha covardia
nem sequer que eu existo
e como um filme banal
entre a figurante e o ator principal
meu papel era irrelevante
para contracenar
no final


(Legião Urbana)

Um comentário:

Demonstre-me seus sentimentos com palavras, ficarei lisongeada em lê-los.