terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Por um fio


Desconsolada. Sem saber o que fazer ou como agir em um momento tão delicado como aquele, o controle estava fugindo das suas mãos, ou melhor, talvez não passava de uma sensação de poder que verdadeiramente não possuía. Se tivesse forças para erguer a cabeça e limpar as lágrimas que jorravam dos seus olhos cor de mel, poderia olhar as coisas de outra forma agora. Nada além da intuição da presença dele esteve ali, mas ela sentia que estava por um fio de perder o que jamais possuíra, por um fio todos os sonhos construídos naquele lugar instável, sonhos firmes, mas a base era desconhecida, quem sabe ela havia depositado muito em tão pouco, ou não. Era essa dúvida que a angustiava dia e noite e a fazia de companhia   à insonia, nessa etapa, não a assustava tanto quanto os pesadelos, preferindo ficar ali, morta viva, esperando... esperando um milagre, uma confirmação, o fio se reconstruir ou arrebentar de vez. Faria diferença? Em sua mente esperava o rompimento do fio para decidir tomar um rumo diferente, mas ainda estava presa a ele, esse fio misterioso. No coração, a tristeza pela insegurança, a fé desse fio jamais se desfazer. Na verdade, ela negava para si mesmo, mas era esse fio que a impulsionava à esperança, apesar do medo, era o motivo para continuar viva, mesmo triste, havia esperança. O fio ainda estava lá...

(M. R. A.)

Um comentário:

  1. Nossa eu amei....um desabafo de sentimentos intensos!!!

    belo post
    bjs flor

    ResponderExcluir

Demonstre-me seus sentimentos com palavras, ficarei lisongeada em lê-los.